Parlamento comemora 40 anos da Constituição

No dia 2 de Abril de 1976 foi aprovada a Constituição da República Portuguesa. Jorge Miranda, Marcelo Rebelo de Sousa, Ângelo Correia, Manuel Alegre, António Arnaud e Freitas do Amaral foram alguns dos deputados que fizeram parte da Assembleia Constituinte de 1976. Agora a Assembleia da República vai homenagear os deputados da “constituinte”.

Parlamento Assembleia da RepublicaAssim, para assinalar a comemoração dos 40 anos da Constituição Portuguesa, a Assembleia da República promove uma serie de iniciativas para homenagear os deputados constituintes. No dia 14 de Abril, após a sessão plenária, decorrerá no salão nobre da Assembleia da República uma homenagem simbólica.

No dia 13 do mesmo mês realizar-se-á também uma peça de teatro, “Nesta Hora Primeira”, encenada por Jorge Silva Melo. Na semana seguinte, dia 21 de Abril, será inaugurada uma exposição multimédia: “A prova do tempo: 40 anos de constituição”. Jorge Miranda, muitas vezes apelidado como “pai da constituição” portuguesa, conduzirá ainda um ciclo de conferências sobre a Constituição Portuguesa.

Em 1976, todos os partidos (PS, PPD, PCP, MDP/CDE, UDP e o ADIM) votaram a favor, exceção feita ao CDS que votou contra. A Constituição da República portuguesa sofreu 7 alterações até ao dia de hoje.

Descomplicador:

A Constituição Portuguesa, aprovada a 2 de Abril de 1976, comemora 40 anos. Neste sentido, a Assembleia da República promove várias iniciativas (peças de teatro, exposições, debates) para festejar esta data.

xksxja@pwrby.com'
Publicado por: Duarte Pereira da Silva

20 anos, natural de Lisboa mas “radicado” no Algarve desde cedo. Estudante de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social. Colabora com o site desportivo “Bola na Rede”.

Há 1 comentário neste artigo
  1. miguel.martel@gmail.com'
    Indignado at 11:13

    Uma constituição de tipologia terceiro mundista e arquitectada pelo pró-soviético Álvaro Cunhal.
    Nada de admirar…, há que tapar a miséria, corrupção, emigração e endividamento colossais em que caímos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *