Ponto de situação: Bruxelas do “avesso” após mais um ataque do Estado Islâmico

O mundo acordou hoje com as noticias de mais uma incursão do Estado Islâmico no “coração” da Europa. Bruxelas, a capital da Bélgica foi palco de mais uma série de atentados terroristas que até ao momento mataram 34 pessoas e feriram mais de 200. Os ataques ocorreram no aeroporto e numa estação do metro da cidade.

Atentado BélgicaPelas 7h rebentaram duas bombas no aeroporto de Zavantem, tendo sido desactivado uma terceira e que resultaram na morte de 14 pessoas e provocaram 96 feridos. Pouco tempo depois, na estação de metro de Maelbeek, perto das instituições europeias, foi detonado outro engenho explosivo, matando 15 a 20 pessoas e ferindo cerca de 106.

O Estado Islâmico reivindicou já os ataques, prometendo ainda mais “semanas de terror” na Europa. Ao longo do dia foram sendo avançadas várias informações que acabaram por não se revelar verdadeiras, como a evacuação de centrais nucleares ou a evacuação da família real belga. As alterações que se fizeram sentir foram sobretudo no reforço policial e na presença do exército na rua, bem como na suspensão dos serviços de transportes públicos, que nas últimas horas têm voltado a conta-gotas.

Cérebro dos atentados de Paris detido é o principal suspeito do planeamento dos ataques

Atentado Bélgica 2Salah Abdeslam nem detido deixa de ser o principal protagonista dos ataques de hoje. Depois de ter sido um dos cérebros dos ataques em Paris, o membro do Estado Islâmico é também um dos principais suspeitos do planeamento destes ataques, que ocorreram poucos dias depois da sua detenção. Entretanto, um dos suspeitos dos ataques ainda está a monte.

Abdeslam foi detido em Bruxelas no final da semana passada e as suas impressões digitais foram detectadas num apartamento onde se suspeitam que possam ter sido preparados os engenhos explosivos, segundo revela o Politico. Já o Primeiro-Ministro belga, Charles Mitchel, disse logo pela manhã que o país “receava” um atentado que “veio mesmo a acontecer”.

Charles Mitchel lamentou os “numerosos mortos e feridos, alguns gravemente” numa série de ataques “cegos, violentos e cobardes”. De referir que foram decretados três dias de luto nacional, um record no país que quando viu falecer o Rei Balduíno em 1993 apenas decretou um dia de luto nacional.

David Cameron, Primeiro-Ministro britânico foi o primeiro a reagir aos ataques, mas entretanto vários lideres mundiais colocaram-se já ao lado da Bélgica, como Barack Obama e Vladimir Putin.

Portugal ao lado da Bélgica

Em Portugal, todos os partidos políticos mostraram a sua solidariedade para com o povo belga, aprovando um Voto de Condenação e Pesar pelos ataques terroristas que decorreram esta manhã. O texto afirma que “estes ataques não farão imperar o medo ou o preconceito, nem esmorecer a coragem no combate ao terrorismo e às suas causas, um esforço persistente que envolve múltiplas dimensões”, acrescentando ainda que “dure o que durar esse combate, o que importa é que as sociedades abertas nunca se deixem fechar e se mantenham sempre fiéis aos valores do Estado de Direito Democrático”.

Marcelo Rebelo de SousaO presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues enviou também uma mensagem de pesar pelos atentados, ao lado do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que disse que este é o momento para “apostar na solidariedade europeia e nacional, afastando as divergências, por forma a responder eficazmente contra os inimigos da liberdade e da tolerância e concentrando-nos, cada vez mais, no que nos une e que nos permitirá seguir em frente para um futuro em paz e em favor do desenvolvimento social e económico”.

O Primeiro-Ministro António Costa, de viagem à Madeira, lamentou os ataques e pediu uma resposta “coordenada”, evitando assim que se responda “por impulso cada vez que há um atentado”. O líder do executivo socialista disse ainda que a cooperação entre estruturas de segurança tem vindo a funcionar e que “por cada atentado que ocorre há dezenas que não ocorreram”.

Pelas 21h, a Câmara Municipal de Lisboa vai iluminar-se com as cores da Bélgica, onde decorrerá um minuto de silêncio. Na cerimónia estará presente o Embaixador da Bélgica em Portugal.

Descomplicador:

Um atentado terrorista em Bruxelas, Bélgica, vitimou 34 pessoas e feriu mais de 200, após explosões no aeroporto e no metro de Bruxelas. O Estado Islâmico reivindicou já os ataques. Portugal e o mundo, mostraram a sua solidariedade para com a Bélgica ao longo do dia.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *