Uma semana para o congresso do PSD: a liderança a prazo, as propostas dos mais jovens e o adeus de Miguel Relvas

Falta menos de uma semana para o 36º congresso do Partido Social Democrata, que vai decorrer nos dias 1, 2 e 3 de Abril em Espinho. Pedro Passos Coelho já sabe que será presidente dos sociais-democratas durante os próximos dois anos, mas o congresso promete ainda assim ser animado.

Nuno Morais Sarmento disse já que a liderança “passista” pode ser a prazo devido ao facto de ocupar um lugar na oposição e um dos seus fieis “escudeiros”, Miguel Relvas disse já não querer manter-se no Conselho Nacional afastando-se assim dos órgãos do partido. Entretanto a Juventude Social Democrata apresentou já as suas propostas que entre outras propõem primárias e o fim das quotas.

JSD defende financiamento cada vez mais público dos partidos

Juventude Social Democrata JSDA Juventude Social Democrata, liderada por Cristóvão Simão Ribeiro apresentou uma moção de estratégia sectorial que defende entre outros um financiamento cada vez mais público dos partidos políticos e para contribuir para esta estratégia defende o fim das quotas de militantes.

“Defendemos que o financiamento partidário seja maioritariamente público, eliminando o sistema de quotização e obrigando as doações a um registo online” diz a moção dos jovens sociais-democratas. Apesar de não serem eliminadas as doações e as recolhas de fundos, o caminho tem como objectivo tornar o financiamento cada vez mais público.

Também na moção sectoriais que a Juventude Social Democrata vai apresentar no congresso, é defendido o sistema de voto preferencial por circulo uninominal nas eleições legislativas. A par do voto preferencial, a JSD defende também a realização de primárias no partido, para a escolha do candidato a Primeiro-Ministro, tal como o Partido Socialista fez e como o LIVRE, embora este último o tenha feito para todas as listas dos círculos distritais.

Segundo revela o Observador, Pedro Duarte, director de campanha de Marcelo Rebelo de Sousa e um dos nomes do futuro do PSD apresentou também uma moção sectorial sobre a inclusão social.

“Passos Coelho é um líder a curto-prazo” diz Morais Sarmento

Morais SarmentoO ex-Ministro da Presidência de Durão Barroso, Nuno Morais Sarmento disse na antevisão do congresso em entrevista à Antena 1 que Pedro Passos Coelho “com enorme dificuldade, com enorme dificuldade poderá ser candidato a primeiro-ministro daqui por três anos”.

Ainda assim, Morais Sarmento considera que Passos Coelho é o homem “ideal” para enfrentar a preparação do orçamento de 2017 e para responder a uma “crise politica séria” que resulte da preparação desse orçamento. Ainda assim, para um futuro a médio-prazo, Morais Sarmento considera que Passos Coelho vá passar grandes dificuldades na liderança dos sociais-democratas.

Já José Eduardo Martins que sempre manteve um certo afastamento de Pedro Passos Coelho disse recentemente que “não há neste momento, gente suficiente a pensar de maneira parecida com a minha no partido, para que isso mereça o trabalho de protagonizar uma alternativa que verdadeiramente o PSD neste momento não tem”, não fechando a porta no futuro a encabeçar uma alternativa, tal como Nuno Morais Sarmento.

Miguel Relvas afasta-se dos órgãos do partido

Miguel Relvas ouvido pela segunda vez na Comissão de Assuntos Constitucionais do ParlamentoEntretanto o “fiel escudeiro” de Passos Coelho, Miguel Relvas, vai afastar-se dos órgãos do partido, em especifico do Conselho Nacional, órgão que liderou na lista apresentada no último congresso.

Miguel Relvas pretende, segundo o Observador, dedicar-se à sua “vida profissional”, tendo já informado Pedro Passos Coelho dessa decisão e abrindo assim uma vaga a um lugar importante, tendo em conta que o Conselho Nacional é o órgão mais importante entre congressos.

Em 2014, Miguel Relvas obteve o pior resultado de Passos Coelho neste órgão, tendo conquistado apenas 18 mandatos e 25,7% dos votos, face aos 25 mandatos e 35,7% em 2012 e 29 mandatos e 59,3% em 2010.

Descomplicador:

A menos de uma semana do congresso que vai “entronizar” Pedro Passos Coelho, a JSD propõe o fim das quotas e a realização de primárias; Nuno Morais Sarmento afirma que Passos é um líder a prazo e Miguel Relvas informou já o seu amigo que se pretende afastar dos órgãos do partido.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *