Retomas Retomar? Ou (re)mataram-te?

As candidaturas ao Programa Retomar para o ano letivo 2016/2017 deveriam ter sido abertas no dia 1 de abril de 2016, à semelhança dos anos 2014 e 2015. A Federação Académica do Porto (FAP), juntamente com o restante Movimento Associativo Nacional, tinha já deixado o alerta para a situação no último Encontro Nacional de Direções Associativas, sendo que não se sabia o que iria acontecer ao Programa Retomar para o próximo ano letivo.

Programa Retomar

«O Programa Retomar foi criado pelo Despacho Normativo n.º 8-A/2014 (2.ª série), de 17 de julho, assumindo-se como uma iniciativa de combate ao abandono escolar e conclusão de cursos superiores interrompidos dirigida a pessoas que, entre outros requisitos, devem estar em situação de desemprego e poder concluir o curso até aos 30 anos.» como refere o Despacho, assinado pela Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O adiamento indefinido do prazo de candidaturas feito in extremis pela SECTES através de despacho, justificado pela necessidade de reorientação da «Iniciativa Competências Digitais» inscrita no Plano Nacional de Reformas lançado em março de 2016, vem ao encontro da vontade de adaptação do Programa Retomar, já apresentado pelo Movimento Associativo Nacional.

Programa Retomar

No entanto, não se entende que o processo de adaptação do Programa Retomar aconteça sem que sejam ouvidos e envolvidos os representantes dos estudantes, situação que ainda não aconteceu, apesar dos sucessivos alertas deixados. O Retomar tem um nobre e útil objetivo. A sua operacionalização ficou aquém das expectativas e foi um fracasso por diversas razões. Urge, então, regulamentá-lo de forma menos restritiva, mas sem se perder o foco no objetivo principal: fazer regressar ao ensino superior ex-estudantes que tenham abandonado os seus ciclos de estudo.

O adiamento da abertura de candidaturas mais parece todo um grande eufemismo para um cancelamento precipitado. E por isso, fica no ar a pergunta: Retomas Retomar? Ou (re)mataram-te?

Publicado por: Daniel Freitas

Presidente da Federação Académica do Porto. Mestre em Engenharia Informática e de Computação pela Faculdade de Engenharia do Porto e actualmente a estudar Engenharia de Serviços e Gestão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *