A bagunçada “Casa das Cartas” do Brasil

Corrupção, enfraquecimento do Governo, disputa pela ascensão, medo do declínio, iminência de um impeachment e o futuro do país. Não, não estamos falando de House of Cards, série produzida pelo serviço de streaming de vídeos Netflix. Apesar da semelhança, a referência diz respeito ao rumo da política brasileira, que, de uns tempos pra cá, anda fervendo os ânimos da República.

Frank Underwood, a personagem da ficção, que muitos comparam a Dilma Roussef

Frank Underwood, a personagem da ficção, que muitos comparam a Dilma Roussef

Mas a comparação com a política de Frank Underwood, personagem que atua para a renúncia do presidente dos Estados Unidos da América (EUA) na série para, assim, assumir a administração da Casa Branca, não é gratuita. A situação de Frank na trama perpassa a posse da Câmara até chegar à vice-presidência e, por fim, à presidência. Mas, para isso, foi preciso muita estratégia.

A dinâmica dos novos rumos de uma república transcende a série e reflete a situação atual do Brasil. Desde março de 2014, quando foi deflagrada a operação Lava Jato, o país sofre com uma governação instável. E preocupante. A maior investigação sobre corrupção até hoje no maior país da América do Sul começou apurando uma rede de doleiros que atuava em vários estados, mas logo descobriu um consistente esquema de corrompimento na Petrobras, envolvendo muitos partidos e grandes empreiteiras. O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, foram os primeiros a serem presos e condenados

Só em 2015, a operação alcançou os políticos. Em agosto do ano passado, o ex-ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), José Dirceu, foi preso sob acusações de ter recebido pagamentos de empresas que estavam sendo investigadas. No fim do mesmo ano foram presos o senador Delcídio do Amaral (PT) e José Carlos Bumlai, pecuarista próximo do presidente petista.

O presidente da Câmara de Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), e outras lideranças também foram alvo de busca e apreensão da Polícia Federal, incluindo o ex-presidente Lula – acusado de lavagem de dinheiro e falsificação ideológica.

Petrobras BrasilParalelo a este cenário, temos, ainda, o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que põe sob análise o atraso do repasse de dinheiro a bancos para, supostamente, melhorar as contas federais (as chamadas pedaladas fiscais). Todavia, até então, não foi comprovado crime de responsabilidade política da presidente – um dos principais motivos para embasar o impedimento.

Atualmente em sua 27ª fase – e com um acervo plural de investigados, presos e delações premiadas, além do recente desvínculo do PMDB do governo -, a operação designada de Carbono 14 (expressão que se refere às técnicas usadas pela ciência para a datação de itens e a investigação de fatos antigos) foi deflagrada em primeiro de abril e sonda prática de crimes de extorsão, falsidade ideológica, fraude e lavagem de dinheiro. Corrupção.

Enquanto a renovação do Governo não chega, o que vemos é uma população agitada e faminta por mostrar suas ideologias e desejos. Vemos, ainda, uma intolerância que, agora, se manifesta de forma radical entre quem defende o impeachment da presidente Dilma e quem quer, a todo custo, a manutenção da petista no poder.

Se na ficção do enrendo norte-americano a disputa pelo poder traça fatos desanimadores, que mostram o lado tenebroso do ser humano, resta-nos torcer para que, no caso da realidade brasileira, a vida não imite tanto a arte. Apesar, contudo, de alguns recentes acontecimentos do país colocarem House of Cards no bolso.

Caio Faheina, no Brasil

O Panorama optou por publicar o artigo em Português do Brasil para não alterar a sua autenticidade.

Caio Faheina

Nasceu repórter. Nunca foi fã de política, mas tenta acompanhar o cenário da atual conjuntura brasileira. Gosta mesmo é de ir às ruas com papel e caneta para contar histórias de quem passa por Fortaleza, sua cidade natal. Estudou na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa, mas, hoje, encontra-se por inteiro no Brasil – e tem marcada na pele a lembrança do que foi a experiência no país lusitano. Atualmente é repórter do Anuário do Ceará, publicação do Grupo de Comunicação O POVO.

Publicado por: Panorama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *