Partidos espanhóis têm até 26 de abril para evitar novas eleições

Filipe VI Rei de Espanha25 e 26 de abril. Estes são os dias escolhidos pelo Rei de Espanha para ouvir os partidos com assento parlamentar. A intenção destas audições é saber se foi ou não alcançado algum entendimento entre as forças políticas espanholas que permita formar Governo. Até agora, apenas Ciudadanos e PSOE chegaram a um acordo. Mas não chega. Os dois partidos precisam de mais deputados para garantir a maioria dos assentos do Congresso dos Deputados.

Os diversos partidos têm estado a negociar e nos últimos dias houve uma reaproximação entre o Podemos, de Pablo Iglesias, e o PSOE. Na passada semana, os três partidos aceitaram pela primeira vez desde as eleições reunir-se em conjunto. Do encontro, saiu uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma. O Podemos tinha enviado um conjunto de propostas para serem analisadas por PSOE e Ciudadanos, de modo a permitir um acordo. Mas os dois partidos não gostaram das exigências feitas pelo partido de esquerda e deixaram cair por terra as negociações.

O Podemos acusa os outros dois partidos de não aceitarem novas propostas. Já o Ciudadanos e o PSOE apontam o dedo ao partido de Pablo Iglesias, que acusam de fazer exigências que se sabe à partida que serão recusadas –  como o referendo na Catalunha ou o pedido para terem pastas ministeriais num eventual Governo das três forças políticas.

Se estes três partidos não se entendem há que olhar para o outro lado do Parlamento. É lá que está o PP, de Mariano Rajoy. Mas os socialistas já avisaram que não tencionam entrar em nenhuma solução que passe por ter os populares num eventual Executivo de Bloco Central.

Estes impasses parecem não vir a ter solução. E nos dias 25 e 26 de abril o Rei de Espanha deve ouvir que não há qualquer acordo para a formação de um Governo. Caso este cenário se confirme, o Rei Felipe VI será obrigado a marcar novas eleições legislativas para o fim de junho.

Descomplicador:

O Rei de Espanha vai ouvir os partidos com assento parlamentar nos dias 25 e 26 de abril. O objetivo é saber se há ou não acordo para a formação de um Governo. Até agora, os partidos não conseguiram encontrar uma solução que garanta um Executivo estável. E ao que tudo indica, não vão apresentar a Felipe VI nenhuma solução governativa, obrigando a Rei de Espanha a convocar novas eleições legislativas para o final de junho.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *