Politicamente #6 – O factor Guterres

Esta semana damos destaque à candidatura de António Guterres ao mais alto cargo das Nações Unidas. Abrimos o seu currículo e, para comentar este e outros assuntos que marcaram a semana na vida política, tivemos connosco o líder da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos.

Por cá, esta foi uma semana negra para António Costa; o primeiro-ministro teve já três baixas no seu Governo. As novas caras no Executivo são: Luís Filipe Castro Mendes (ministro da Cultura), Miguel Honrado (secretário de estado da Cultura), e João Paulo Rebelo (secretário de estado da Juventude e Desporto).

Cantamos também os parabéns ao Bloco de Esquerda, que comemorou os seus 17 anos de existência, e que ainda esta semana propôs que o Cartão de Cidadão passe a chamar-se Cartão da Cidadania. Entretanto, começam a chegar as primeiras novidades sobre o orçamento de estado para 2017, que vai ser um orçamento participativo.

Sobre o Politicamente

Politicamente

O Politicamente é um podcast de política baseado no on-line. Todas as semanas, aos sábados, a Inês Ameixa e o Ruben Martins abordam as histórias que marcam a semana política. Para comentar o tema da semana abrimos o espaço para o comentário com um convidado. Aqui há lugar para o nacional, para o internacional e para as grandes histórias que fazem a actualidade política.

Através do iTunes e do Mixcloud, da Esquerda à Direita, são abordados todos os lados da política. Histórias que são política para os ouvidos!

Também disponível no iTunes

 

Publicado por: Politicamente

Rúben Martins e Inês Ameixa são os autores do Politicamente, um podcast semanal que aborda a actualidade politica. São ambos estudantes de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social em Lisboa. Rúben Martins é ainda director de programas na ESCS FM e director de informação da ESCS Magazine e Inês Ameixa é directora de informação da ESCS FM e editora-chefe da ESCS Magazine.

Há 1 comentário neste artigo
  1. miguel.martel@gmail.com'
    Indignado at 22:22

    Guterres, o sr. NIM é o ideal para o cargo, pois tem vocação de servo da gleba dos que mandam na ONU, que são os EUA, Rússia e China, essencialmente.
    Como governante português, foi um aborto…, como aquecedor do cargo na ONU, será um curvado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *