O futuro não se cativa

A esperança vale tanto quanto a nossa capacidade de a materializarmos em progressos, e por isso esta é a chamada à razão a um governo que não pode ter duas palavras nem duas medidas.

A decisão de cativar em 57 milhões de euros a dotação orçamental das Instituições de Ensino Superior para 2016, representa um retrocesso político em nada coerente com a linha discursiva do atual executivo e com a natureza e âmbito do orçamento de estado para 2016, aprovado pela Assembleia da República. A medida aprovada em Conselho de Ministros compromete a autonomia das Instituições de Ensino Superior e em nada combate o subfinanciamento do Ensino Superior em Portugal.

Ensino Superior EstudantesMas não ficamos por aqui, enquanto o conselho de ministro toma a decisão governativa de cativar 57 milhões de euros da dotação orçamental das IES, os alunos bolseiros do programa +Superior e Retomar continuam com as bolsas em atraso. A situação foi denunciada pelos próprios alunos, encarregados de educação e dirigentes associativos, numa preocupação que se estende a todas as associações académicas, associações de estudantes e federações. Num momento como este é necessário continuar a capacitar estes programas dos meios adequados para que possam de facto cumprir com o seu propósito.

E se no +Superior é necessário investir no programa e continuar a pensá-lo, no programa Retomar o desafio pode ser maior. Apesar dos sucessivos alertas do movimento associativo, a tutela falhou a data expectável de abertura de candidaturas. Este adiamento, justificado através do processo de adaptação do programa, acontece sem que tenham sido ouvidos os representantes dos estudantes, e sem qualquer indicio daquele que será o futuro deste apoio ao reingresso no Ensino Superior. Como sabemos os resultados do programa ficaram aquém das expectativas, e por isso justifica-se uma remodelação do programa e consequente investimento; não permitiremos porém que se deixe de ter presente o propósito do programa num sistema de ensino que continua a deixar milhares de estudantes à porta e onde o abandono escolar continua a ser uma realidade avassaladora.

Enquanto não se inverter a situação de subfinanciamento das IES, enquanto os estudantes não receberem a tempo e horas as suas bolsas e enquanto não tivermos programas essenciais como o +Superior e o Retomar a funcionar em pleno, continuaremos a cativar o futuro e mais perigoso do que isso, continuaremos a cativar a esperança.

Publicado por: André Coelho

Presidente da Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD). Estudante de Ciências do Desporto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *