CDS reage a chumbo de medidas com campanha online

O CDS levou ao Parlamento um conjunto de 25 medidas de inventivo à natalidade, num pacote que promoveu em larga escala durante a última semana. No entanto, a maioria de esquerda aprovou apenas nove das 25 medidas e os centristas lançaram uma campanha online de ataque à “geringonça”.

CDS Natalidade“Aumento do abono de família para famílias com deficientes a cargo – Chumbado pelas esquerdas” é um dos exemplos de um conjunto de imagens lançadas pelo CDS para criticar as esquerdas que chumbaram a maioria das medidas apresentadas pelo CDS do pacote de incentivo à natalidade.

As nove medidas aprovadas têm de submeter a consulta pública durante 30 dias, tendo em conta que envolvem alterações no Código do Trabalho, portanto podem não chegar a ser implementadas. Assunção Cristas reagiu a estes chumbos dizendo que se perdeu “uma grande oportunidade de estar acima das querelas partidárias”.

As medidas aprovadas foram: o alargamento do gozo da licença parental complementar e da licença para assistência a filho aos avós, o aumento da licença parental exclusiva do pai, o aumento da duração da licença parental inicial a partir do terceiro filho, a criação de uma licença parental pré-natal, o aumento da duração da licença parental inicial para os 210 dias, o estabelecimento de uma dispensa para assistência a filho em substituição da dispensa para amamentação ou aleitação, a criação do subsídio pré-natal e o subsídio parental para nascimento prematuro, e a criação da licença parental para nascimento prematuro.

CDS NatalidadeO CDS não demorou até lançar uma campanha online que tem como objectivo criticar o PS, o PCP e o Bloco de Esquerda sobretudo devido ao chumbo de quatro medidas especificas: o aumento do abono de família para famílias com deficientes a cargo; o alargamento dos horários das creches; a criação de incentivos e benefícios em sede de IRC para empresas que promovam comportamentos familiarmente responsáveis; e a alteração do regime do Programa Porta 65, alargando a idade máxima de acesso para jovens e casais com idades até 25 anos.

Depois do chumbo das propostas, Assunção Cristas publicou no seu Facebook que “ficou hoje [no dia da votação] claro que quem chumba, liminarmente, 16 das nossas propostas não está preocupado com o país, mas, apenas com a luta politico partidária”, acrescentando ainda que “o Parlamento poderia ter dado um sinal diferente”.

Descomplicador:

O CDS viu serem aprovadas apenas nove das 25 medidas do pacote de incentivo à natalidade e lançou uma campanha online de ataque ao PS, ao PCP e ao Bloco de Esquerda, pelo chumbo das restantes medidas.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *