Deputada britânica assassinada. Mundo chocado e UE em suspenso

Hellen Joane Cox ou só Jo Cox, era uma deputada do Parlamento britânico com apenas 41 anos e dois filhos, que foi assassinada durante a tarde de 16 de Junho, deixando em choque não só o Reino Unido, como a Europa e o mundo e levando à suspensão da campanha sobre a permanência do Reino Unido na Europa, da qual Cox era a favor.

Jo CoxJo Cox foi assassinada em West Yorkshire, tendo sido declarada a sua morte no local do crime, do qual resultou também um ferido de 77 anos embora sem grande gravidade. O ataque ocorreu ao inicio da tarde, pelas 13h, junto a uma biblioteca, ao que revela o The Guardian e as autoridades dizem que se trata de um “acto isolado”.

A policia local anunciou ainda a detenção de um individuo de 52 anos no local. Alguns relatos apontam ainda que para além de ter sido baleada, Jo Cox terá também sido esfaqueada pelo homem conhecido no local como Tommy Mair.

“Britain First”

Referendo Reino Unido BrexitSegundo alguns relatos de testemunhas, o assassino terá gritado “Britain First” durante o ataque. Britain First é o nome de um partido britânico de extrema-direita que é a favor da saída do Reino Unido da União Europeia. Entretanto a organização partidária veio já recusar qualquer associação, criticando até a falta de testemunhos no local que confirmem a suspeita avançada apenas por uma pessoa, segundo diz o comunicado.

Jo Cox era a favor da permanência do Reino Unido na União Europeia, tendo escrito recentemente um texto de opinião onde defendia a sua posição. Os dois lados da campanha do referendo britânico suspenderam todas as acções de campanha durante o dia, e vários programas de debate foram cancelados pelos canais televisivos britânicos.

Cameron e Corbyn reagem

David Cameron, Primeiro-Ministro britânico, eleito pelos Conservadores, reagiu à tragédia através da sua conta oficial de Twitter, dizendo que o Reino Unido perdeu “uma estrela. A Jo era uma grande deputada, com uma grande compaixão e um grande coração”, acrescentou.

Jeremy CorbynNum comunicado bem mais longo, o líder dos Trabalhistas, partido que Cox representava, disse que “Jo Cox teve uma vida de serviço público e de comprometimento com a humanidade”, destacando o seu papel no desenvolvimento de regiões menos favorecidas e nos direitos humanos.

Jeremy Corbyn destaca ainda o facto de Jo Cox ter sido assassinada durante uma iniciativa onde estava a ouvir os seus eleitores e acrescentando que perderam “um talento e uma dedicada defensora da justiça social e da paz”, dirigindo ainda as condolências à familia.

Quem também reagiu, entre muitos outros, foi Gabriel Giffords, ex-deputada norte-americana que foi alvo de um atentado em 2011, tendo também sido baleada e que se revelou “doente ao ouvir falar do ataque a Jo Cox” que apelidou de “jovem, trabalhadora e corajosa” e uma “estrela em ascensão”.

Jo Cox tinha sido eleita em Maio de 2015 pela região de Batley and Spen, com 77 mil eleitores e mais de 107 mil habitantes.

Descomplicador:

Jo Cox, deputada do Reino Unido, foi assassinada na tarde de Quinta-Feira, 16 de Junho junto a uma biblioteca na sua região. A defensora da permanência do Reino Unido na União Europeia tinha apenas 41 anos e a sua morte levou à suspensão das campanhas do referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Há 1 comentário neste artigo
  1. Pingback: Bill Gates alerta britânicos para os riscos do Brexit – Panorama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *