Não existiu demissão, mas existiu polémica. O caso do subsidio de alojamento

Carlos Martins é Secretário de Estado do Ambiente mas saltou para a ribalta nos últimos dias devido a um caso, pouco ético, “embora legal”, segundo afirma o próprio. O caso foi denunciado pelo jornal Expresso e revela que Carlos Martins recebe 753 euros de subsidio por um alojamento que nunca foi a sua morada definitiva.

Carlos MartinsDuas semanas antes de integrar o governo de António Costa, Carlos Martins comprou um apartamento no Algarve, onde nunca chegou a morar permanentemente. Ainda assim, foi essa a morada que o Secretário de Estado do Ambiente deu como sua, passando assim a contar com um subsidio mensal de 360 euros líquidos.

Depois da polémica ter rebentado, Carlos Martins disse numa primeira instância que o subsidio que recebia era legal e só horas depois acabou então por difundir a informação de que teria prescindido deste subsidio mensal. O comunicado enviado pelo Ministério do Ambiente às redacções informava que: “Com a absoluta consciência da legalidade da atribuição do subsídio de alojamento, porque este injusto caso se alastra e com o objetivo de preservar a minha imagem, o bem-estar dos meus, e a normalidade do funcionamento do Ministério do Ambiente, irei, a partir de hoje prescindir do subsídio de alojamento”.

O Ministério do Ambiente esclareceu ainda que Carlos Martins tinha alterado a sua residência fiscal em todos os seus documentos, quando adquiriu a casa que iria habitar visto estar a desempenhar funções como presidente das Águas no Algarve. No entanto, semanas depois de ter adquirido o apartamento, Carlos Martins foi convidado para o governo, regressando à sua habitação anterior, em Cascais.

Durante o dia da polémica, o gabinete do Primeiro-Ministro optou por não reagir, ao contrário do que tinha feito com o caso de João Soares, isto apesar de alguns deputados, como por exemplo, Duarte Marques do PSD, terem pedido a demissão do Secretário de Estado, ao dizer que era “inaceitável que um membro do governo indique uma morada onde não vive, onde não está a sua família, onde não tem necessidade de ir todas as semanas, que recorra, no fundo, a uma pequena burla para ganhar mais uns tostões”.

Descomplicador:

Carlos Martins, Secretário de Estado do Ambiente, declarou como sua habitação uma casa onde nunca morou. O Expresso denunciou o caso e apesar de numa primeira instância Carlos Martins ter mantido a sua posição, acabou por prescindir do subsidio de alojamento.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *