PDS e CDS chocados com requalificação da Praça do Império

O projecto que venceu o concurso de ideias para o Jardim de Belém não prevê a manutenção dos brasões correspondentes às capitais de distrito e às antigas províncias ultramarinas. O grupo municipal do PSD da Assembleia Municipal de Lisboa e o vereador do CDS na capital já se insurgiram contra o projecto e apelam ao seu bloqueio por parte de Fernando Medina.

Jardim da Praça do Império Lisboa BelémA decisão do júri do concurso de ideias para a requalificação do Jardim de Belém é que os 30 brasões presentes no Jardim da Praça do Império dêem lugar a um relvado sem espaço para estes símbolos históricos. A decisão vai amanhã ser sujeita a reunião de câmara para ratificação do executivo e a oposição tem esperança que o projecto seja bloqueado.

A polémica tem já dois anos, quando José Sá Fernandes defendeu que “não faz sentido estarmos a gastar dinheiro a recuperar símbolos que já não existem”. Na altura António Costa, ainda presidente da autarquia suspendeu o projecto e aprovou o lançamento de um concurso de ideias que chegou agora ao fim e que resultou praticamente na mesma iniciativa de há dois anos.

O PSD e o CDS insurgiram-se já contra a iniciativa, com o vereador dos centristas no executivo, João Gonçalves Pereira a falar num “claro preconceito ideológico” e a considerar esta iniciativa um “claro desrespeito pela História de Portugal”. Na sua página de Facebook, João Gonçalves Pereira questiona ainda o porquê de Adriano Moreira, que integrava o júri, não ter assinado o projecto e não ter sido dada qualquer explicação sobre isto.

Já o PSD, através do grupo municipal na Assembleia Municipal de Lisboa acusa também Sá Fernandes de “preconceito ideológico gritante próprio da pequena dimensão intelectual de Sá Fernandes para quem construir cidade não é mais do que a construção de ciclovias fantasmagóricas, atribuições pouco esclarecidas da exploração de quiosques e um conjunto de medidas trendy mas que não servem objetivamente ninguém”.

A bancada municipal do PSD apela assim a Fernando Medina que “ponha cobro a estes devaneios intelectuais e que assuma de uma vez por todas a liderança do município que honrosamente herdou e que defenda a relevância histórica do nosso país em detrimento da irrelevância da personagem de Sá Fernandes”.

Também o PCP, através do vereador Carlos Moura, critica a “tábua rasa da mosaicocultura” que está presente neste projecto que põe fim aos brasões, anunciando o voto contra dos comunistas por ir ao “ao arrepio completo da proposta apresentada”.

Descomplicador:

O projecto vencedor do concurso de ideias para o Jardim de Belém põe fim aos 30 brasões presentes no jardim, correspondentes aos distritos de Portugal e às ex-províncias ultramarinas. O PSD e o CDS acusam o vereador da área, José Sá Fernandes de “preconceito ideológico” e pedem a Fernando Medina que bloqueie o projecto.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *