Seis meses de pena suspensa por ofender Pedro Passos Coelho

Mário Carvalho de Jesus levantou-se nas galerias da Assembleia da República no dia 11 de Março de 2015, para gritar durante o debate em que Passos Coelho se defendeu das dívidas à Segurança Social. Agora foi condenado a seis meses de pena suspensa por ofensas ao Primeiro-Ministro da altura.

Parlamento Assembleia da RepublicaDurante o governo do PSD e do CDS várias foram as vezes que a presidente da Assembleia da República interrompeu os trabalhos devido a manifestações nas galerias do Parlamento. No entanto, a pena mais pesada foi aplicada a Mário de Jesus que esteve no debate em que Passos Coelho tentou justificar as suas dívidas à Segurança Social.

“Estava revoltado com tudo aquilo. Comecei a trabalhar aos 13 anos, como soldador, porque o dinheiro em casa não era muito. Tinha de ouvir ali como é que alguém ia defender-se daquela vergonha”, disse o agora condenado por ofensas ao Primeiro-Ministro ao Jornal de Noticias.

A sentença divulgada pelo mesmo jornal avança que “os nervos dele eram tantos que não se percebia o que dizia” e que também não foi perceptível se Mário de Jesus chegou a interromper Passos Coelho ou se falou apenas no fim da intervenção do Primeiro-Ministro.

Mário Carvalho de Jesus foi condenado por “perturbação do funcionamento de órgão constitucional”, com seis meses de pena suspensa, com o tribunal a indicar que “importa reforçar junto do arguido que existem locais próprios para levar a cabo actividade política, levantar protestos e fazer ouvir o descontentamento”.

Durante a fase de inquérito foi ainda proposto a Mário de Jesus que pagasse 250 euros a uma instituição de solidariedade ou que cumprisse 40 horas de trabalho comunitário, mas o visado optou por ir a julgamento por não querer assumir previamente a culpa.

Descomplicador:

Mário Carvalho de Jesus interrompeu uma sessão na Assembleia da República em Março de 2015 onde gritou palavras contra Passos Coelho. Recentemente foi condenado a seis meses de pena suspensa, a maior condenação entre todas as vezes que os trabalhos foram interrompidos durante o governo do PSD e CDS.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *