Tudo o que tens de saber sobre o caso das mortes nos Comandos

Muita tinta tem corrido desde que foi tornado público o caso das mortes no 127º curso dos Comandos, que decorria no passado mês de setembro, em Alcochete, e que teve como vítimas os instruendos Hugo Abreu e Dylan da Silva. Esta terça-feira foram revelados novos elementos sobre o caso, que já fez dois arguidos e poderá não ficar encerrado em breve.

0com

Os novos arguidos

Conforme a revista Sábado revelou esta terça-feira, os dois primeiros arguidos neste caso trágico são os dois enfermeiros que se encontravam na tenda de campanha com cerca de duas dezenas de instruendos a necessitar de assistência numa altura em que o médico estava ausente. Segundo a mesma revista, os dois terão sido interrogados esta tarde no DIAP de Lisboa pela procuradora Cândida Vilar. Os enfermeiros estão indiciados pelo crime de omissão de auxílio e segundo a PGR ficaram sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência.

Os próximos passos

Apesar de já terem sido constituídos os primeiros arguidos e de no programa Sexta às 9, da RTP1, da semana passada se ter sabido que a investigação da Polícia Judiciária estava quase concluída, faltando apenas receber os resultados dos exames de anatomia patológica aos corpos de Dylan da Silva e Hugo Abreu, a verdade é que deveremos continuar a ouvir falar deste polémico caso. Segundo a Sábado, também o clínico, que não estava a tenda quando Hugo Abreu entrou em paragem cardiorrespiratória, e vários instrutores que negaram água aos instruendos poderão ser constituídos arguidos, assim como o próprio diretor do curso, que deveria acompanhar toda a prova e que poderá ser acusado de abuso de autoridade. A edição online do jornal Expresso confirmou esta terça-feira que os órgãos disciplinares da Ordem dos Médicos irão abrir um inquérito formal ao médico, que é ainda militar com a patente de capitão.

Segundo informações confirmadas pelo Diário de Notícias, dois oficiais instrutores já estão a ser alvo de processos disciplinares devido aos indícios recolhidos pelo Exército, que declarou em nota oficial na semana passada ter identificado “indícios de prática de infração militar”.

Descomplicador:

Há novos desenvolvimentos no caso das mortes no curso dos Comandos: já foram constituídos dois arguidos, numa altura em que decorrem inquéritos internos no Exército e na Ordem dos Médicos.

Publicado por: Mariana Lima Cunha

21 anos, natural de Oeiras. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação e Marketing Político pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Jornalista online do Expresso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *