Coleção Berardo “renova” com o CCB e Governo mantém opção de compra

O Ministério da Cultura e o empresário Joe Berardo chegaram a acordo e a Coleção Berardo ficará no Centro Cultural de Belém durante os próximos seis anos, mantendo o Governo a opção de compra. As conversas decorriam há vários meses.

Museu Berardo

Segundo avançou o jornal Público, o Governo e Joe Berardo chegaram a acordo, com este novo contrato a prever renovações automáticas a partir de 2022, caso nenhuma das partes denuncie o contrato. Joe Berardo e o executivo confirmaram ao jornal que uma “adenda” ao acordo de 2006 será assinado na Quarta-Feira.

A assinatura da extensão vai decorrer no Centro Cultural de Belém, agora liderado do Elisio Summaviele, mantendo o executivo a opção de compra da coleção, que tem actualmente 900 obras.

No que toca à gratuitidade do acesso à coleção, essa decisão compete em exclusivo à Fundação Berardo. Existe no entanto o compromisso de um dos dias ser obrigatoriamente de acesso gratuito, com as despesas de bilhética a terem passado para a alçada da Fundação Berardo.

O Ministro da Cultura, Luis Castro Mendes, mostrou-se satisfeito com o acordo, dizendo que “o resultado é um resultado satisfatório para todas as partes envolvidas, ‘win-win’, como se diz agora. Eu penso que é ‘win-win’ porque ambos temos satisfação”.

Descomplicador:

O Governo e a Fundação Berardo chegaram a acordo para renovar o contrato que mantém a Coleção Berardo no CCB durante os próximos seis anos. Este acordo renova-se automaticamente caso nenhuma das partes denuncie o contrato.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *