Afinal… Trump vai respeitar princípio de uma só China

Donald Trump veio pôr água na alegada tensão diplomática entre a China e os Estados Unidos. Afinal, o Presidente norte-americano vai apoiar o princípio de uma “China única”. A confirmação foi feita pelo próprio num telefonema “muito cordial” – segundo diz a Casa Branca – com o homólogo chinês, Xi Jinping.

Esta posição veio acalmar a comunidade internacional, já que em dezembro Trump tinha falado com a Presidente de Taiwan sem avisar Pequim, uma atitude que foi entendida como uma provocação indireta à China. Apesar de Taiwan ser um aliado militar dos Estados Unidos, as conversações entre ambos são mediadas por Pequim. Desde 1979, que os EUA respeitam o princípio da chamada “China única”. A chamada entre Tsai Ing-wen e Trump não foi por isso bem encarada pelos responsáveis chineses.

No entanto,  a tensão gerada em dezembro parece agora ter acalmado. Em comunicado divulgado pela televisão estatal, a CCT, Pequim diz esperar que a cooperação entre os dois países aumente: “enfrentando uma situação mundial extremamente complicada e com desafios crescentes, há a grande necessidade de continuar a melhorar a cooperação entre a China e os EUA”.

Já o comunicado da Casa Branca confirma que os Estados Unidos vão apoiar a política de uma “China única” e refere que na primeira chamada entre Trump e Xi Jinping, que  decorreu de forma “muito cordial”, foi possível abordar “vários tópicos”. A Casa Branca diz ainda que foram trocados convites para que se realizem visitas aos respetivos países.

As relações entre a China e os Estados Unidos parecem estar a estabilizar. A chamada entre Trump e Xi Jinping aconteceu um dia depois de o Presidente americano ter enviado uma carta a Pequim, naquele que foi visto como o primeiro sinal de aproximação em três semanas de presidência.

Descomplicador:

Trump afinal vai apoiar o princípio de uma só China. Depois de em dezembro ter ameaçado romper com a tradição, o Presidente dos Estados Unidos compromete-se vai mesmo apoiar o princípio de uma China única. A confirmação foi feita pelo próprio numa chamada telefónica com o homólogo chinês, Xi Jinping.

Publicado por: José Pedro Mozos

23 anos, natural de Lisboa. Aos dezasseis anos percebeu que a sua vocação era o jornalismo. Licenciado em jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social e pós graduado em Jornalismo Multiplataforma pela FCSH - Universidade Nova de Lisboa. Entre março de 2016 e junho de 2017 passou pela SIC Notícias. Faz parte da editoria de política da Revista VISÃO desde julho de 2017. Acredita no jornalismo como sendo um dos pilares de qualquer democracia. Atualmente, faz parte do Conselho Editorial do Panorama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *