Ferro Rodrigues considera “um bocado absurdo” uma nova Comissão de Inquérito

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, disse em entrevista ao Diário de Noticias/TSF que considera “um bocado absurdo” a criação de uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito à volta da Caixa Geral Depósitos.

O PSD e o CDS estão a equacionar, estando praticamente decidido, a criação de uma nova comissão de inquérito, que terá como objecto principal a troca de SMS e emails entre Mário Centeno, Ministro das Finanças e António Domingues, ex-presidente da Caixa Geral Depósitos.

Ferro Rodrigues considera ainda que boicotar o funcionamento da actual comissão seria “lamentável”, dizendo no entanto que essa decisão cabe ao PSD. Com a demissão de Matos Correia da liderança da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), o PSD tem agora que indicar um novo presidente, se tiver interesse em manter activa a comissão.

“Houve muito trabalho, muita gente foi ouvida, muitas pessoas foram à Assembleia da República responder para o objeto da comissão, que era saber porque é que a Caixa Geral de Depósitos tinha chegado àquela situação em que era necessário uma recapitalização tão forte e uma reestruturação tão importante”, disse Ferro Rodrigues, considerando assim que seria um desperdício agora terminar os trabalhos sem uma conclusão.

Descomplicador:

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, espera que o PSD e o CDS não decidam avançar para uma nova comissão, considerando essa uma decisão “um bocado absurda”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *