Secretas portuguesas à margem da viagem-relâmpago de António Costa

Os serviços secretos portugueses ficaram à margem da viagem-relâmpago do Primeiro-Ministro, António Costa, à República Centro-Africana, onde esteve de visita ao contingente português. A situação gerou algum mau-estar, visto ser uma viagem com um elevado risco de segurança para o PM.

Numa relação que tem conhecido diversas divergências ao longo dos últimos tempos, a visita de António Costa à República Centro-Africana é apenas a última. O Primeiro-Ministro visitou os militares portugueses e as Secretas portuguesas não participaram na organização da viagem.

Ao Diário de Noticias, o gabinete do Primeiro-Ministro desvaloriza a polémica dizendo que os militares e os responsáveis pela segurança do Primeiro-Ministro estavam a par da viagem. Com António Costa viajaram ainda o Ministro da Defesa, Azeredo Lopes e o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, Pina Monteiro, para além de assessores e jornalistas, que integraram a comitiva.

Neste tipo de deslocações cabe ao SIED investigar as ameaças externas, junto da sua rede de espiões ou junto dos serviços secretos locais, por forma a analisar o grau de risco das deslocações. Na Comissão de Defesa do Parlamento, o director do SIED confirmou que as Secretas não foram envolvidas na preparação da deslocação.

O mandato de António Costa tem sido marcado por um afastamento das Secretas. Os serviços secretos portugueses ficaram incomodados com a falta de um oficial de ligação entre o gabinete do Primeiro-Ministro e os serviços, algo que estava precavido no gabinete de Passos Coelho. Ainda segundo o DN, tanto Passos Coelho como Paulo Portas recorriam várias vezes às Secretas portuguesas.

Descomplicador:

António Costa deixou fora da preparação da viagem-relâmpago à República Centro-Africana os serviços secretos portugueses, gerando mal estar entre as Secretas. A relação entre os serviços secretos portugueses e António Costa não tem sido a mais saudável desde o inicio do mandato do PM.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *