Portugal afasta Serviço Militar Obrigatório

É um tema que regressa à agenda do dia de tempos a tempos. Com o regresso do Serviço Militar Obrigatório (SMO) na Suécia e com Emanuel Macron, favorito nas eleições francesas, a colocar essa hipótese em cima da mesa, Portugal mantém para já esta ideia afastada.

Segundo o Diário de Noticias, tanto as Forças Armadas como o poder político afastam para já esta opção. Em Portugal a falta de efectivos não se deve ao desinteresse, mas sim aos cortes implementados nos anos de resgate. O Secretário de Estado da Defesa diz ao DN que 2016 registou a “maior incorporação dos últimos seis anos”. O ano passado candidataram-se 11900 candidatos, tendo entrado 3900.

Critico do fim do Serviço Militar Obrigatório, o General Loureiro dos Santos, citado pelo DN é favorável ao regresso desta ferramenta, não devido à falta de efectivos, mas para criar uma escola de valores. “Devíamos regressar a esse tempo, porque quatro meses já é tempo suficiente”, defendendo que o SMO  ensina a “ser pontuais, a falar verdade… a fazer o que faz parte do comportamento normal do cidadão”.

Da parte dos partidos, o regresso deste modelo é totalmente recusado. O PS defende que o actual sistema “está longe de estar esgotado”, enquanto o CDS defende que o Serviço Militar Obrigatória devia ser revisto, considerando que dentro de tempos deverá ser implementado um “sistema misto, devido à falta de efectivos”.

Descomplicador:

O Diário de Noticias ouviu um conjunto de responsáveis pelo sector da Defesa e para já o regresso do Serviço Militar Obrigatório está colocado de parte em Portugal.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *