Passos Coelho encerrou Congresso de Espinho há um ano

Faz hoje precisamente um ano desde que Pedro Passos Coelho encerrou o 36º Congresso do Partido Social Democrata, que decorreu em Espinho e que o reelegeu para um quarto mandato à frente dos “laranjinhas”.

Na Nave Desportiva de Espinho e já com a “geringonça” em funcionamento, Pedro Passos Coelho apelou à implementação de reformas estruturais e fez uma previsão que acabou por se cumprir: “não espero eleições no próximo ano”. Efectivamente não só não existiram eleições legislativas, como o PSD tem vindo a descer nas sondagens.

Aliás, na abertura deste congresso, Pedro Passos Coelho reconheceu a legitimidade do acordo PS, PCP e Bloco de Esquerda, ao dizer que “apesar das arestas que ainda não estão limadas, esta maioria tem vindo a ganhar consistência, devemos reconhecê-lo – o PCP, o BE e o PS podem aos olhos de muitos constituir uma maioria um pouco estranha, mas não há dúvida que se tem vindo a revelar uma maioria consistente”.

O líder dos sociais-democratas aprovou o conclave para se demarcar do PS ao dizer que “estas políticas não são as nossas. Não queiram falar em compromisso de ideias, de projectos, se não se aproximarem de nós”, uma postura que tem mantido ao longo do último ano.

No congresso de Espinho, Pedro Passos Coelho reforçou até a sua posição no Conselho Nacional, embora o líder da outra lista, Luís Rodrigues, tenha reforçado várias críticas na última reunião deste órgão. Neste congresso, Pedro Duarte e José Eduardo Martins surgiram como as duas vozes dissonantes, mas Pedro Duarte acabou por fazer até uma intervenção de consenso.

Nesta reunião magna do PSD, foram eleitos como vice-presidentes da Comissão Politica Nacional, Marco António Costa, Maria Luis Albuquerque, Sofia Galvão, Teresa Leal Coelho e Teresa Morais, bem como Jorge Moreira da Silva, que entretanto saiu para assumir um posto na OCDE. O presidente do congresso foi Fernando Ruas e José Matos Rosa foi também reeleito Secretário-Geral.

Descomplicador:

Pedro Passos Coelho foi reeleito presidente do PSD há um ano atrás num congresso realizado em Espinho onde se demarcou das ideias do PS e onde pediu reformas estruturais à “geringonça”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *