Portugal não pediu a demissão de Dijsselbloem no Eurogrupo

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem manifestou a sua estranheza por Portugal não ter pedido a sua demissão na última reunião do Eurogrupo, apesar das imagens que vieram a público do Secretário de Estado, Ricardo Mourinho Félix. Dijsselbloem disse que a sua demissão foi pedida apenas “antes e depois” da reunião, mas não durante o encontro.

 

“Esperava que o colega português [era o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Mourinho Félix] pedisse a minha demissão, mas ele não o fez”, disse Dijsselbloem em declarações ao jornal holandês De Volkskrant.

Dijsselbloem diz ainda que os pedidos de demissão “antes e depois da reunião não têm significado”, acrescentando que “se quisesse realmente a demissão, tinha de ter a colocado em cima da mesa na reunião. E isso não aconteceu”, esclarece.

O líder do Eurogrupo disse ainda que pediu desculpa aos que se sentiram ofendidos, no inicio do encontro, garantindo que na reunião existiu “apoio activo e passivo”, revelando que a maioria dos participantes compreenderam a sua “formulação infeliz”.

Descomplicador:

Dijsselbloem disse em entrevista a um jornal holandês, que o responsável português na reunião do Eurogrupo não pediu a sua demissão, dizendo que a pediu apenas “antes e depois” do encontro, mas nunca levando a questão para cima da mesa.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *