Esquerda pressiona António Costa com as rendas da energia

O debate quinzenal de hoje não foi um passeio tranquilo para António Costa. O Primeiro-Ministro foi pressionado por parte dos seus parceiros parlamentares, Bloco de Esquerda, PCP e Os Verdes, em particular sobre a questão das rendas da energia.

Catarina Martins, Jerónimo de Sousa e Heloísa Apolónia questionaram o Primeiro-Ministro sobre a possibilidade de pôr fim às “rendas excessivas da energia”, como se referiram sempre, mas o Primeiro-Ministro escudou-se nas questões burocráticas para responder aos três parceiros parlamentares do PS.

“É necessário reduzir os custos de energia. Acontece que há um quadro legal e contratual que temos de respeitar”, disse António Costa perante a insistência da esquerda parlamentar, apesar de admitir não ter “a menor dúvida que temos de melhorar quadro regulatório e contratual”.

O Primeiro-Ministro lamentou ainda a existência de “várias manhas com cobertura das entidades reguladoras para contornar”. Catarina Martins, Jerónimo de Sousa e Heloísa Apolónia referiram-se a estas rendas como “assalto ao país”, “vergonha nacional” e “escândalo inaceitável”.

Descomplicador:

Os parceiros parlamentares do Partido Socialista não facilitaram a vida a António Costa no debate quinzenal, pressionando o Primeiro-Ministro com as rendas do sector energético.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *