Huaweigate: Dirigentes do Ministério da Saúde colocam lugares à disposição

Os cinco elementos do Ministério da Saúde envolvidos no Huaweigate, o caso das viagens à China pagas pela Huawei (ou pela Nós, já lá vamos), colocaram hoje o seu lugar à disposição, segundo dá conta o jornal Expresso. Entretanto o Ministério Público está já a conduzir uma investigação. Um assessor da Secretaria de Estado das Comunidades já foi exonerado.

Artur Trindade Mimoso, vogal do conselho de administração, Nuno Lucas, director de sistemas de informação, Ana Maurício, directora de comunicação, Rui Gomes, director de sistemas de informação e Rute Belchior, directora de compras dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), são os elementos do Ministério da Saúde envolvidos neste caso, explorado esta semana pelo semanário Expresso.

O gabinete do Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, emitiu já um comunicado em que diz que “o Ministério da Saúde, na convicção de que o exercício de funções públicas exige obrigações especiais de transparência, rigor comportamental e observância dos princípios éticos, regista como positiva esta atitude”, informando ainda que após vários reuniões esta Segunda-Feira, os elementos envolvidos colocaram o lugar à disposição.

Ainda assim, o Ministério da Saúde informa que qualquer decisão final só será tomada após o parecer da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde, tendo em conta que os casos foram noticiados pela comunicação social e carecem de  “clarificação ao nível do seu contexto ético, jurídico e institucional”.

Entretanto, hoje, o Eco avança que a viagem foi paga pela Nós, empresa de telecomunicações e que teve um custo total de 12516 euros. No entanto, ao Expresso, a empresa tinha negado esta mesma informação, estando agora a investigar se efectivamente pagou e qual o enquadramento desta despesa.

Neste caso estão também envolvidos deputados e dirigentes locais do PSD e um ex-membro do gabinete do Secretário de Estado das Comunidades.

Descomplicador:

O Ministério da Saúde informou que os cinco elementos envolvidos no caso das viagens à China pagas pela Huawei, colocaram hoje o lugar à disposição após um conjunto de reuniões. Entretanto surgiu também a dúvida se a viagem foi paga pela Huawei ou pela empresa de telecomunicações, Nós.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *