#RegressoÀsAulas: uma escola humanista para evitar o abandono

Série #RegressoÀsAulas – Panorama

O autor do livro “Do Secundário à Universidade com Sucesso”, Jorge Rio Cardoso, apresentou hoje a sua nova obra no auditório da Fundação Gulbenkian com a presença de Guilherme D’Oliveira Martins e do Secretário de Estado da Educação, João Costa.

“Falar de educação não é falar de dinheiro é falar de estímulos”

Guilherme D’Oliveira Martins, ex-Ministro da Educação, deu o mote para o tom deste final de tarde. “Falar de educação não é falar de dinheiro é falar de estímulos”, disse o também administrador da Gulbenkian. Oliveira Martins gostaria que “dentro de alguns anos espero que a faixa dos 15 aos 18 anos não diga que a escola é uma seca”, adiantando que para isso, o sistema deve tornar-se mais flexível.

“Flexibilidade é falar de diferenças, (…), de saber como podemos aprender mais e melhor”, disse, defendendo um diálogo entre “a cultura, a educação e a ciência, num caminho de rigor e exigência”, para que “a educação possa ser verdadeiramente um factor de desenvolvimento”.

“O centralismo no ensino agrava as diferenças”

Em semana de abertura de ano escolar, o Secretário de Estado da Educação, João Costa, pegou no mote de Guilherme D’Oliveira Martins para também ele defender um “olhar humanista sobre a educação”, ao pegar na polémica dos alunos feliz para dizer que: “eu quero um aluno feliz, mas com a felicidade assente no conhecimento”.

Para João Costa, a “flexibilidade é o caminho para garantir que todos aprendem”, acrescentando que “o centralismo no ensino agrava as diferenças”. Isto porque, para o executivo que João Costa integra, a procura de “justiça social é o que norteia a acção do Governo”, tendo em conta que existem “alunos que aprendem apesar da escola e outros que se a escola falha nada sobra”, procurando assim evitar estas assimetrias.

Flexibilidade é o segredo para um melhor sistema de ensino

A par do humanismo na educação, a flexibilidade no sistema de ensino foi outro dos tópicos em que os três intervenientes concordaram, com Jorge Rio Cardoso a defender que o “aluno tem que participar na formação do seu conhecimento”, para, numa intervenção mais emotiva, concluir ao adaptar a frase de Almada Negreiros (“Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa – salvar a humanidade”), dizendo que “todas as frases que podem salvar a educação já estão escritas – só falta passar à prática”.

Nesta apresentação, com sala cheia, esteve ainda presente o editor da Guerra e Paz, Manuel Fonseca e houve ainda lugar para um momento musical.

Série #RegressoÀsAulas – Panorama

Descomplicador:

Jorge Rio Cardoso apresentou hoje o livro “Do Secundário à Universidade com Sucesso”, que contou com a presença de Guilherme D’Oliveira Martins e do Secretário de Estado da Educação, João Costa. Os três candidatos defenderam um sistema de ensino flexível e humanista.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *