Maratona de votações e de mudanças no Parlamento

A votação do Orçamento do Estado na especialidade é sinónimo de maratona e com este quadro parlamentar é também sinónimo de vários quadros improváveis. Assuntos como a construção de uma residência universitária em Rio Maior, as cativações e a Protecção Civil, proporcionaram “coligações” improváveis.

Foram apenas alguns dos vários pontos em votação ao longo do dia na Assembleia da República. No caso da construção de uma residência universitária em Rio Maior, PSD, CDS, Bloco e CDU votaram a favor, tendo o Partido Socialista sido o único a votar contra. Duarte Marques, deputado social-democrata, assinalou o momento com uma foto ao lado de António Filipe, do PCP.

O PSD e o CDS votaram novamente ao lado do Bloco de Esquerda no que toca ao controlo mensal das cativações. Já o PS esteve mais coordenado com a direita no que toca ao reforço da dotação do Metro de Lisboa e da Soflusa, uma proposta que chumbou com os votos contra dos socialistas e que contou com a abstenção do PSD e do CDS.

Mais fora do comum ainda foi a votação de uma proposta do Bloco de Esquerda que defende um minimo de investimento da Protecção Civil nas autarquias e que contou com os votos favoráveis do Bloco e do CDS e com os votos contra do PS, PSD e PCP.

Descomplicador:

O primeiro dia de votação do Orçamento do Estado na especialidade gerou várias “coligações” improváveis, com o Bloco e o PCP a votarem ao lado do PSD e do CDS e com o PS a contar com a “ajuda” do PSD e do CDS noutras matérias.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *