Gestão hídrica é a lição a tirar da seca extrema que afecta Portugal

“Na última década, as reservas hídricas não estiveram tão baixas como no final de 2017”, diz João Pedroso Lima, professor da Universidade de Coimbra e especialista em recursos hídricos, em conversa com o Panorama. A seca extrema em Portugal está a tornar-se uma “calamidade”, diz o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e nem a chuva parece conseguir corrigir o problema.

Em declarações à Antena 1, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP disse que “é importante gerir melhor a água que cai. (…) Temos que nos adaptar a uma nova maneira de viver, eventualmente replicando o Alqueva, noutras dimensões, a outras zonas do país”. A mesma tese é defendida por João Pedroso Lima que, ao Panorama, explica que, embora a construção de barragens “seja uma decisão politica”, pode implicar custos ambientais e financeiros e que o caminho pode passar por “adoptar outras medidas, como por exemplo a gestão de água nas barragens”.

Luisa Schmidt, professora da Universidade Nova de Lisboa, disse ao Diário de Noticias que se deve “adoptar uma gestão mais próxima das bacias hidrográficas”, defendendo também a replicação de “Alquevas” um pouco por todo o país.

Com o Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, a defender, em entrevista ao i, a “redução da pressão dos caudais de água e a racionalização em períodos nocturnos” para o consumo urbano, a maior taxa de utilização de água vem da agricultura e da pecuária. Nalgumas zonas do país, em particular em Viseu, está a ser feito transporte de água através dos bombeiros, “uma medida que faz face a uma necessidade imediata” e que “não tem qualquer impacto nos ciclos de água” das zonas afectadas.

Embora João Pedroso Lima defenda que “para os níveis de água armazenados voltarem à média dos últimos anos em determinado mês, somente dependa da pluviosidade e de outras condições climatéricas (como o vento, a temperatura, entre outras”, dados divulgados recentemente dizem que só a pluviosidade já não chegará apara corrigir esta situação de seca extrema, no curto-prazo.

Descomplicador:

A seca extrema que afecta Portugal regista os níveis mais baixos da última década no que às reservas hídricas diz respeito. João Pedroso Lima, especialista em recursos hídricos, diz ao Panorama que politicamente se podem “adoptar outras medidas, como por exemplo a gestão de água nas barragens”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *