Candidatura do Porto não referia mudança do Infarmed

António Costa disse que em caso de vitória do Porto na votação da Agência Europeia do Medicamento, a deslocalização do Infarmed para o Porto era uma consequência natural, tentando assim amenizar a polémica, mas a candidatura nunca refere essa mudança.

Rui Spinola, presidente da comissão de trabalhadores do Infarmed sublinha, citado pelo Observador, que apesar de existirem pistas para essa mudança, nunca é assumida de forma clara em toda a candidatura, dando o exemplo com uma frase em que o Infarmed deve “responder à relocalização para Portugal”.

A candidatura refere por diversas vezes a proximidade entre a Agência Europeia e o regulador nacional, dando como exemplo a existências de vários funcionários portugueses na agência europeia, algo que aconteceu através de concursos internacionais.

O presidente da Comissão de Trabalhadores destaca também que o plano estratégico do Infarmed até 2019, aprovado em Setembro deste ano, não faz qualquer referência a uma mudança de cidade, contestando assim a ideia de que a decisão já estava tomada há muito tempo.

Descomplicador:

A Comissão de Trabalhadores do Infarmed contesta que a candidatura do Porto à Agência Europeia do Medicamento referisse uma mudança de local da agência nacional, remetendo também para o plano estratégico aprovado em Setembro, que não fazia qualquer referência a mudanças.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *