Van Dunem ministra. Van Dunem jurista.

António Costa protagonizou hoje novo debate quinzenal no Parlamento, o primeiro de 2018 e último de Pedro Passos Coelho enquanto presidente do PSD. No entanto, o tema quente do dia foi a entrevista matutina de Francisca Van Dunem à TSF, onde abriu a porta à saída da Procuradora Geral da República.

Hugo Soares, líder parlamentar do PSD, foi o primeiro a pegar no assunto, pedindo a António Costa uma reacção. O Primeiro-Ministro “fechou-se em copas” e disse que “a Ministra da Justiça deu a sua opinião, que era a sua opinião jurídica. O Governo nunca analisou essa questão. A interpretação da ministra da Justiça parece-me correta”, considerando no entanto o timming “prematuro”.

O chefe da bancada parlamentar do PSD não deixou cair o tema e forçou António Costa a dizer que a opinião de Van Dunem era meramente “pessoal” e que o Governo não tinha uma posição porque a questão não foi ainda debatida. Hugo Soares trouxe para a mesa um acordo entre o PS e o PSD em 1997, onde está destacado que o mandato da Procuradora Geral da República pode ser renovado, mas António Costa não fugiu da resposta ensaiada.

“A senhora ministra deu uma entrevista e respondeu de boa-fé. Percebo que há quem não compreenda, mas respondeu com naturalidade. Mas é uma opinião jurídica, uma opinião pessoal. Não desautorizo posições jurídicas de qualquer membro do Governo”, acrescentando que “não vamos criar um caso onde ele não existe. É difícil encontrar alguém que tenha respeitado mais a autonomia do Ministério Público do que eu próprio. Sempre assumi a separação do que é o poder política da Justiça”, encerrando assim o tema.

Hugo Soares não mudou de assunto sem antes deixar fortes elogios ao mandato de Joana Marques Vidal e de concluir que António Costa quis “dizer ao país que aquilo que a sua ministra disser não vale nada”, pedindo desculpa a Francisca Van Dunem pela interpretação das palavras do Primeiro-Ministro.

Descomplicador:

O líder da bancada parlamentar do PSD, Hugo Soares, trouxe para o debate quinzenal de hoje a entrevista de Francisca Van Dunem, com o Primeiro-Ministro, António Costa, a esclarecer que “a Ministra da Justiça deu a sua opinião, que era a sua opinião jurídica. O Governo nunca analisou essa questão”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *