Uma SuperNanny para MCTES e para o Ronaldo do Eurogrupo

No final de 2017, a Direção-Geral do Ensino Superior enviou uma missiva aos Serviços de Ação Social das Instituições de Ensino Superior, onde requeria que os mesmos apresentassem o comprovativo de pagamento das prestações que dizem respeito ao alojamento dos estudantes que habitam nas residências dos Serviços de Ação Social.

Até hoje, estes comprovativos só eram exigidos aos estudantes que residissem em habitações que não pertencessem aos SAS. No entanto, a partir de agora, os estudantes passam a ter a obrigatoriedade de liquidar a prestação todos os meses, caso contrário perdem o direito ao complemento de alojamento, podendo ainda ser feito o acerto no momento de atribuição da prestação da Bolsa de Estudos.

Sem nunca querer desresponsabilizar os estudantes, no passado dia 8 de janeiro, algumas Associações e Federações Académicas enviaram uma carta ao Professor Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, com o conhecimento de sua Excelência, o Presidente da República e do Sr. Primeiro-Ministro, ansiando conseguir encontrar o Ministro que tutela o Ensino Superior, uma vez que a sua ausência de poder governativo tem-se vindo a acentuar desde junho passado, com especial agravamento no último trimestre de 2017, onde ficou comprovado que afinal quem governa o Ensino Superior é, o Doutor Mário Centeno, mais conhecido como o “Ronaldo” do Eurogrupo.

Manuel Heitor

Continuamos, passadas mais de duas semanas, a aguardar ansiosamente a resposta por parte do Professor Manuel Heitor, que, para além de ainda não ter respondido à missiva, ainda veio a público referir que o contrato-programa celebrado com as instituições em 2016 vai ser cumprido e que vão ser, desde já, libertados 6 milhões de euros para as Instituições de Ensino Superior referentes ao valor em falta de 2017, ficando apenas por resolver alguns detalhes técnicos. A questão que se impõe é a seguinte: Como é que 7 milhões de euros (valor em falta de 2017) são detalhes técnicos? Quando é que a Prioridade vai ser realmente a Educação?

É preciso ensinar aos nossos agentes governativos, que a palavra dada deve ser palavra honrada, tal como diria o nosso Primeiro-Ministro…

Publicado por: João Pedro Videira

Presidente da Federação Académica do Porto. Membro do Conselho Nacional de Educação. Ex-presidente da Associação de Estudantes do ISEP. Estudante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *