José Silvano aceitou cargo para “unir” e não tem medo de “nada nem de ninguém”

O novo Secretário-Geral do Partido Social Democrata, José Silvano, falou ontem à comunicação social na São Caetano à Lapa, na primeira aparição pública depois de ter aceite o convite de Rui Rio para substituir Feliciano Barreiras Duarte. Silvano terá agora que ser confirmado pelo Conselho Nacional, o que acredita que irá acontecer, mas diz não ter medo de “nada nem de ninguém”.

José Silvano, ex-presidente da Câmara de Mirandela, mostrou-se “surpreendido” com o convite de Rui Rio, mas disse estar pronto para unir o partido e diz estar empenhado apenas num objectivo: “trabalhar para relançar o partido, apoiar o líder e o PSD a ganhar as próximas eleições legislativas, europeias e regionais”.

Sobre o facto de o seu nome ter ainda que ser validado pelo Conselho Nacional do PSD, José Silvano diz que “se o (…) objetivo único é unir o PSD, não há nenhum militante do partido, muito menos nenhum dirigente, que não tenha este objetivo”, acrescentando no entanto que terá “respeito por todos e por todas as convicções”, mas que “como bom transmontano que sou, também não terei medo de nada nem de ninguém”.

A nomeação oficial de José Silvano deverá assim ficar ratificada no dia 28 de março, na Comissão Politica Nacional e mais tarde em Conselho Nacional.

Uma vida dedicada ao poder local

José Silvano tem actualmente 61 anos, foi presidente da Câmara Municipal de Bragança, sendo atualmente deputado e presidente da distrital de Bragança do PSD. O Observador deu também conta de que José Silvano foi o responsável por ter coordenador o grupo de trabalho que fez as alterações à lei do financiamento partidário, um diploma que gerou bastante polémica e foi vetado por Marcelo Rebelo de Sousa.

O agora Secretário-Geral do PSD foi presidente da autarquia de Mirandela entre 1996 e 2011, tendo protagonizado diversos “braços-de-ferro” com o poder central, na luta contra a desertificação do interior do país, onde chegou a colocar outdoors nas estradas com frases irónicas sobre a falta de manutenção dos serviços públicos e de investimento em Mirandela e na região de Bragança.

José Silvano foi ainda deputado entre 1995 e 1999, tendo regressado ao Parlamento em 2015. Já depois de ter deixado a autarquia, foi também José Silvano que promoveu a aproximação de Elina Fraga, actual vice-presidente, do PSD, ao convidá-la a integrar a bancada municipal dos sociais-democratas. “Tinha sido uma adversária política difícil, mas sempre correta e leal. Decidi convidá-la e ela aceitou. Não houve dramas”, explicou José Silvano ao Observador.

Descomplicador:

José Silvano falou ontem à comunicação social pela primeira vez depois de ter sido anunciado como o novo Secretário-Geral do PSD em substituição de Feliciano Barreiras Duarte. Silvano diz estar pronto para “trabalhar para relançar o partido, apoiar o líder e o PSD a ganhar as próximas eleições legislativas, europeias e regionais”.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *