Ex-coordenadora para a Valorização do Interior defende Ministério da Coesão Territorial

A ex-coordenadora da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, Helena Freitas, disse ao Expresso que “Portugal devia ter um Ministério para a Coesão Territorial”, à semelhança do modelo francês.

Oito meses depois de ter deixado esta Unidade de Missão, Helena Freitas, considera que Portugal deve apostar num Ministério da Coesão Territorial, apontando como exemplo o modelo francês, onde ” desempenha um papel fundamental no desenvolvimento das zonas rurais do país. Se calhar está na altura de aprendermos com quem sabe mais que nós, nesta matéria, e equacionar aquela possibilidade, se é que queremos levar a questão do interior a sério”, diz a investigadora na área do ambiente.

A também ex-deputada do PS lamenta que o executivo tenha colocado a Unidade de Missão em Pedrógão Grande, numa resposta politica, que considera “que acabou por desvalorizar o papel da UMVI”.

Apesar de estar solidária com Pedrógão Grande, Helena Freitas considera que a colocação da Unidade desvalorizou o território no seu todo, o que devia ser o seu principal objectivo. Quanto ao futuro, a ex-coordenadora diz que, “depois de tudo o que se passou, há uma grande probabilidade de a UMVI possa não se manter. Acredito que vai acabar por se diluir no Ministério da Administração Interna. É uma questão de tempo”.

Descomplicador:

Helena Freitas, ex-coordenadora da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, considera que Portugal deve criar um Ministério da Coesão Territorial e acredita que a Unidade de Missão vai acabar por se extinguir e integrar-se no Ministério da Administração Interna.

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *