IPDJ: o “derby” entre quem sai e quem fica

O Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) está a “ferro e fogo” com a saída de Augusto Baganha, que será substituído pelo seu vice-presidente, até à data, Vítor Pataco. Baganha não concorda com a forma como foi afastado pelo Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, e colocou uma providência cautelar para poder concluir o mandato, que termina dentro de um ano.

De um lado, um histórico do basquetebol do Sporting: Augusto Baganha, do outro um ex-diretor da Benfica Multimédia, Vítor Pataco, que desempenhou até à data as funções de vice-presidente do IPDJ. João Paulo Rebelo, responsável pela tutela do instituto, entendeu que era a hora de mudar e exonerou Augusto Baganha e Lídia Praça (vogal), criando um novo Conselho Diretivo liderado por Vítor Pataco e mantendo Carlos Pereira (vogal), onde vão entrar ainda Sónia Paixão e Sílvia Vermelho.

Augusto Baganha não concorda com o timming e com a fundamentação da exoneração, ainda para mais, tendo surgido poucos dias depois de ter sido conhecido a pena de um jogo à porta fechada, aplicada ao Benfica, devido à não legalização das claques. Ao Público e à SIC Noticias, Augusto Baganha acusa a tutela de “ter mudado de atitude” depois de conhecida a pena e deixa ainda no ar que Vítor Pataco prejudicou o processo, ao dizer que, “o processo estava sob alçada do meu colega [Vítor Pataco], mas fui eu que tive que avocar”, acrescentando que, “ao reter o processo, o Benfica beneficiou com isso, continuando a praticar a ilegalidade”.

O novo Conselho Diretivo

A nova direção do Instituto Português do Desporto e Juventude vai assim manter dois elementos ligados à direção anterior, Vítor Pataco, que sobre a presidente, e Carlos Pereira, vogal responsável pelo setor da juventude, do programa Erasmus e das delegações regionais do instituto.

Para o Conselho Diretivo entram Sónia Paixão, diretora do departamento de desporto da Câmara Municipal de Lisboa e candidata à Câmara de Loures pelo Partido Socialista nas eleições autárquicas de 2017, bem como Sílvia Vermelho, que desempenha até à data funções de adjunta do Secretário de Estado com a tutela do IPDJ.

Funções e competências do IPDJ

O Instituto Português do Desporto e Juventude é a estrutura governamental que faz a ponte entre o governo e as associações, clubes e organizações do setor. O IPDJ é assim o responsável pela atribuição de financiamento e competências no setor do desporto e da juventude, tendo como missão, “promover a generalização do desporto, bem como o apoio à prática desportiva regular e de alto rendimento”, bem como, “dinamizar o apoio ao associativismo, ao voluntariado e promoção da cidadania, à ocupação de tempos livres, à educação não formal, à informação e à mobilidade geográfica dos jovens em Portugal e no estrangeiro”.

Em suma, o IPDJ, para alem dos apoios financeiros e logísticos às organizações desportivas e de juventude, tem também sob a sua alçada programas como o Erasmus, o Cartão Jovem, a gestão das Pousadas de Juventude e a Autoridade Nacional de Antidopagem, entre outros.

Até ao dia de hoje, 5 de setembro, ainda não foi publicada em Diário da República a revogação do mandato de Augusto Baganha, e o site do instituto ainda tem como membros da direção Augusto Baganha, Vítor Pataco, Lídia Praça e Carlos Pereira.

Descomplicador:

O mandato de Augusto Baganha enquanto presidente do IPDJ foi dado por concluído pelo Secretário de Estado da Juventude e do Desporto poucos dias depois de ser conhecida a pena ao Benfica de um jogo à porta fechada devido ao caso das claques organizadas. Baganha diz estranhar o timming e a fundamentação da decisão e manifesta estranheza por dois dos elementos da sua direção terem sido escolhidos para a próxima. O ex-basquetebolista apresentou uma providência cautelar para poder concluir o mandato.

Publicado por: Panorama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *