A força das novas gerações populares

No passado dia 4 de Novembro, a Juventude Popular celebrou mais um aniversário, o 44.º, desta feita em Portalegre – um concelho onde esta estrutura se perfila, uma vez mais, como a maior organização de política jovem. Algo que, perante a dinâmica revelada pela JP, não surpreende.

É certo que em Novembro de 2018 não vivemos num clima idêntico ao de Novembro de 1974, onde a agitação política e a indefinição de um modelo social imperavam, ansiando a então formada Juventude Centrista por uma democracia plural. Contudo, não é menos verdade que vivemos um período relevante na definição do regime, particularmente na forma como o Estado encara a ordem social e definição de políticas públicas que condicionam as faixas etárias mais jovens.

Adicionalmente, assiste-se a uma propagação da descrença nos partidos e coloca-se em causa o papel de diversas instituições. É neste contexto que a JP, em contraste, se tem destacado, dando esperança aos eleitores com novos protagonistas, cuja autoria audível de propostas inovadoras e distintas formas de intervenção se tem evidenciado.

Para este sucesso mais recente é inegável, como em qualquer plataforma política bem-sucedida, a liderança assumida pelo Francisco Rodrigues dos Santos. Contudo, o sucesso da instituição também se tem espelhado na aparição de outros protagonistas locais e nacionais.

Com este crescimento a JP, em coerência com a sua história, tem apresentado diversas propostas para a melhoria de vida dos portugueses. Com especial enfoque em matérias como a preservação da vida, o ensino, a transparência dos agentes políticos, a defesa e a soberania, a habitação jovem e estudantil, passando pela importância da coesão territorial e da florestação e afirmando visões de combate à precariedade, a JP tem assumido a dianteira do debate.

Por estes 44 anos a JP merece a devida congratulação, não se escudando no sucesso presente para continuar com coragem idêntica à daqueles que a fundaram no Teatro São Luís, a afirmar uma agenda política útil e consentânea aos eleitores.

Publicado por: Francisco Camacho

Presidente da Juventude Popular de Lisboa. Membro da Assembleia de Freguesia de Alvalade. Advogado Estagiário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *