Como o Blockchain pode ajudar Ferro Rodrigues a compilar dados

Os líderes partidários com assento parlamentar estiveram, esta quarta-feira, reunidos com o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues. O encontro extraordinário foi convocado para debater a participação dos deputados no registo de presença de deputados faltosos. Para Ferro Rodrigues, esses casos “põem em causa o prestígio do parlamento” e também o da “democracia representativa”.

Em declarações enviadas às redações, o presidente da AR recusou o papel de “polícia dos deputados” e a institucionalização de “quaisquer formas de funcionalização dos mandatos parlamentares”, mas sugere a necessidade de diferenciar “a simples ligação do computador do registo das presenças”. Ferro Rodrigues exige “mais responsabilidade e responsabilização individual (de cada deputado) e coletivas (de cada grupo Parlamentar)”, para sancionar as irregularidades.

As falsas presenças do Secretário-Geral do PSD, José Silvano, reveladas inicialmente pelo semanário Expresso, não foram casos isolados como indica uma investigação do Observador. O jornal acompanhou mais de 30 horas gravações da AR TV e ao cruzar as informações com a agenda dos deputados, verificou que dois parlamentares, também do PSD, José Matos Rosa e Duarte Marques, não estavam no parlamento apesar das presenças estarem confirmadas.

A polémica com as presenças de José Silvano ocorreu na mesma semana da Web Summit e foi assunto abordado por Manuel Dias, Director Enterprise Technical Sales da Microsoft, que apresentou os resultados da análise dos dados sobre a assiduidade dos deputados. A desconstrução dos dados fornecidos pela Assembleia da República permitiu verificar o total de faltas, as faltas por deputados – justificadas e injustificadas -, os motivos generalizados e também os círculos eleitorais mais faltosos.

Os dados mais recentes da análise feita pelo colaborador da Microsoft apontam para um total de 4627 faltas em 329 sessões plenárias. Quando os dados são discriminados por partido e por média de faltas por deputados, o PEV surge como o partido com a menor média com 3,5 e o PSD com a maior, com uma média de 18,7 faltas por deputado. Num comparativo entre os três anos que compõe a atual legislatura, o ano de 2018 tem o maior número de registo de faltas.

Em cima da mesa – na reunião convocada pelo presidente da Assembleia da República – esteve também o parecer divulgado pelo Tribunal de Contas que aponta irregularidades nos benefícios atribuídos aos deputados, com destaque para os reembolsos às viagens dos parlamentares. Sobre este último tema, Ferro Rodrigues concorda com a criação de um grupo de trabalho para estudar o modelo de atribuição de reembolsos e cobertura de despesas dos deputados, recomendada pelo Conselho de Administração do Parlamento. O representante máximo da AR refere que “é de toda a conveniência a atualização e ajuste de alguns dos procedimentos e conceitos”.

Descomplicador:

Ferro Rodrigues convocou uma reunião extraordinária de líderes parlamentares, onde pediu responsabilização aos deputados e aos grupos parlamentares. Uma análise feita com base em blockchain indica que foram registadas 4627 faltas em 329 sessões plenárias. Quando os dados são discriminados por partido e por média de faltas por deputados, o PEV surge como o partido com a menor média com 3,5 e o PSD com a maior, com uma média de 18,7 faltas por deputado.

Publicado por: Isabella Moura

Tem 23 anos e é natural do Brasil, mas desde os 11 anos que escolheu Portugal como casa. É mestre em Jornalismo e tem interesse na aplicação das novas tecnologias na construção da realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *