Eurodeputados portugueses “fechados” em Estrasburgo

Os eurodeputados portugueses que se encontravam em Estrasburgo ao final da tarde de Terça-feira, tiveram que ficar pela cidade devido às medidas de segurança impostas para apanhar o terrorista. 

Segundo relata a TSF, Nuno Melo e Paulo Rangel são dois dos exemplos de eurodeputados que tiveram que condicionar a sua vida devido ao atentado de ontem à noite em Estrasburgo. 

O eurodeputado do CDS, Nuno Melo, explicou à rádio que, “estávamos parados num semáforo quando começámos a aperceber-nos das movimentações. As pessoas que vinham a pé ordeiramente começaram a correr, os carros da polícia foram aparecendo”, tendo ido para o hotel onde entrou e de onde não pôde sair durante toda a noite. 

Já Paulo Rangel, do PSD, estava no Parlamento Europeu quando se deu o ataque e foi obrigado a permanecer no edifício, dizendo ontem, ao final do dia, que, “pode acontecer que tenhamos de ficar aqui uma parte importante da noite”.

Um terrorista a solo atacou ao final da tarde de Terça-feira um mercado de natal em Estrasburgo, vitimando três pessoas e ferindo outras 14. O principal suspeito, Chérif C., tem 29 anos e ainda se encontra a monte. 

Descomplicador: 

Vários eurodeputados encontravam-se em Estrasburgo durante o ataque terrorista no mercado de natal. Paulo Rangel, do PSD e Nuno Melo, do CDS, foram alguns dos que viram a vida condicionada devido às medidas de segurança impostas. 

Publicado por: Miguel Dias

Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Assessor de comunicação numa federação desportiva, colabora com a imprensa regional na sua cidade, Almeirim e criou um conjunto de projectos temporários sobre politica local e nacional. Fundou ainda uma rádio regional e é comentador convidado de ténis da Eurosport.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *